You are currently viewing Vacinas em spray contra a Covid: pandemia acelerou décadas de pesquisa

Vacinas em spray contra a Covid: pandemia acelerou décadas de pesquisa

Vacinas em spray estão sendo estudadas em diversos centros de pesquisas no mundo

Vacinas em spray estão sendo estudadas em diversos centros de pesquisas no mundo
Pixabay

Ninguém queria a Covid-19. A pandemia criou miséria, morte e dificuldades, e ainda não terminou.

Ainda assim, a crise persistente gerou oportunidades, acelerando pesquisas que podem beneficiar a humanidade muito além da pandemia. As vacinas inalatórias são um exemplo.

Faço parte de uma equipe multidisciplinar trabalhando para tornar isso uma realidade prática, muito mais cedo do que teria sido sem a pandemia.

Estamos agora nos estágios iniciais de teste de uma vacina contra a Covid-19 de próxima geração que nossa pesquisa anterior em animais sugere que durará mais, será mais eficaz e resistirá bem a futuras variantes do vírus da Covid-19.

Antes do surgimento da Covid-19, eu e meus colegas da Universidade McMaster estávamos trabalhando para desenvolver uma nova forma de administração de vacina inalada que pudesse finalmente combater uma das infecções respiratórias mais desafiadoras: a tuberculose, ainda um flagelo em países de baixa e média rendas e em áreas remotas.

No Canadá, afeta desproporcionalmente as pessoas que vivem em reservas em Inuit Nunangat e First Nations.

Após décadas de trabalho, o progresso foi constante, mas lento. A falta de urgência para resolver um problema que afeta principalmente pessoas que vivem em condições precárias dificultou a geração de recursos e impulso necessários para concluir nossa pesquisa.

A pandemia de Covid-19, sendo verdadeiramente global, criou a demanda por vacinas, como as já conhecidas da Pfizer, Moderna e AstraZeneca. Essas vacinas nos ajudaram a superar a crise imediata, pois o vírus estava se espalhando rapidamente e nos serviram bem, prevenindo doenças graves e mortes em países onde elas estavam disponíveis.

Essas vacinas representam grandes avanços, mas não são tão eficazes em todas as populações, nem tão robustas contra novas variantes quanto contra a cepa original do Sars-CoV-2, o vírus que causa a Covid-19.

Nossa pesquisa sugere que a vacina contra a Covid-19 de próxima geração que estamos testando atualmente será mais eficaz por mais tempo e protegerá contra novas variantes.

Nossa equipe – que inclui especialistas em patologia e medicina molecular, doenças infecciosas, imunidade e partículas de aerossol – avaliou o progresso que fizemos em direção a uma vacina contra a tuberculose e adaptou rapidamente a mesma abordagem para a Covid-19. Este sistema de entrega pode ser transformador.

Essa ciência promissora apresenta uma oportunidade de causar um impacto duradouro e mais amplo além da Covid-19.

Embora ainda precisemos entender melhor como essas vacinas funcionam, meus colegas e eu estamos otimistas de que isso finalmente nos dará um passo adiante no controle da tuberculose e de outras infecções pulmonares.

Estamos realizando testes em humanos de nossa nova vacina contra a Covid-19. O estudo clínico de fase 1 está avaliando a segurança, bem como testando evidências de respostas imunes no sangue e no pulmão.

Nossa nova vacina multivalente, fabricada para nosso ensaio clínico no Laboratório de Vetores Robert E. Fitzhenry, tem como alvo várias proteínas virais, tanto a proteína spike, na superfície do vírus, quanto as proteínas dentro dele.

Com novas variantes, ocorrem mutações na proteína spike do lado de fora do vírus. Isso torna as vacinas atuais menos eficazes porque visam apenas a proteína spike. 

No entanto, outras proteínas dentro do vírus permanecem as mesmas. Ter como alvo várias proteínas significa que, se os ensaios clínicos mostrarem que nossa vacina multivalente contra a Covid é eficaz, ela ainda protegerá contra a infecção por novas variantes à medida que surgirem.

Além de ser uma maneira mais amigável de tomar uma vacina, a forma inalada requer muito menos vacina – apenas 1% do que está sendo usado atualmente nas vacinas atuais.

O novo processo entrega a vacina diretamente para onde o corpo vai usá-la: a superfície da mucosa das vias aéreas. Isso significa menos desperdício e mais benefícios, custos mais baixos e efeitos colaterais reduzidos.

A vacina desencadeia uma resposta imune nas células que revestem os pulmões para proteger diretamente contra a Covid-19.

Essa vacinação da mucosa também pode proteger contra outras infecções respiratórias, do resfriado comum à gripe e pneumonia bacteriana, chamando rapidamente uma série de células imunes que estão prontas como a primeira linha de defesa contra a infecção. É uma forma duradoura e ampla de proteção geral contra a infecção chamada de imunidade inata.

Quando as partículas do vírus na vacina são absorvidas pelas células imunes no pulmão, elas recrutam mais células de outras partes do corpo e, juntas, geram uma forte resposta imune.

O processo envolve um tipo muito benéfico de células chamadas células T de memória, que, uma vez recrutadas e ativadas, permanecem no pulmão prontas para enfrentar a infecção.

Nossa equipe multidisciplinar chegou ao limiar de introduzir esta vacina potencialmente transformadora, girando décadas de pesquisa.

O antecedente deste trabalho, o desenvolvimento do vetor viral, remonta há mais de 50 anos ao trabalho do biólogo molecular Frank Graham, que criou um cavalo de Tróia microscópico usando um adenovírus humano para transportar genes virais críticos com segurança.

*Fiona Smaill é professora de Patologia e Medicina Molecular da Universidade McMaster, em Hamilton, no Canadá

Deixe um comentário