You are currently viewing Senado aprova lei para restituir consumidor por bitributação na conta de luz

Senado aprova lei para restituir consumidor por bitributação na conta de luz

Plenário do Senado Federal, em Brasília (DF)

Plenário do Senado Federal, em Brasília (DF)
Roque de Sá/Agência Senado – 11.5.2022

Senadores aprovaram, nesta quarta-feira (1), o Projeto de Lei 1.280/2022, que permitirá que consumidores peçam a devolução de valores bitributados pagos das contas de luz. O crédito tributário gerado é de cerca de R$ 60 bilhões, que seriam repassados, em tese, às distribuidoras, que ajuizaram ação no Supremo Tribunal Federal (STF).

A principal base para o projeto é uma decisão do Supremo de 15 de março de 2017, que determinou que o imposto sobre o ICMS cobrado das distribuidoras de energia elétrica não deve compor a base de cálculo do PIS/Cofins. Com a decisão, as distribuidoras teriam direito a receber o dinheiro cobrado na bitributação.

Do total de crédito gerado, R$ 48 bilhões já estão habilitados e passíveis de compensação, segundo o senador Fábio Garcia (União-MT), autor da lei ao lado de Wellington Fagundes (PL-MT). O texto, que passa das distribuidoras para o consumidor a prerrogativa do pagamento de valores cobrados indevidamente, seguirá agora para tramitação na Câmara.

 

Na justificativa do projeto, os autores dizem que o volume bilionário pertence aos consumidores. “Isso porque, pela regulação do setor elétrico, os custos do PIS/Cofins recolhido pelas distribuidoras são incorporados às suas tarifas (…). Nesse contexto, a apropriação dos recursos pelas empresas representaria um ganho indevido.”

Para Garcia, como foi o consumidor “que tirou dinheiro de seu bolso para pagar o imposto indevido”, “se faz necessário uma lei que discipline essa devolução”.

O projeto prevê a devolução integral dos créditos de forma mais rápida e em maior volume possível, e a possibilidade de a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) fazer “uma revisão tarifária extraordinária simples”, para incorporar créditos e assegurar “um tratamento isonômico e igualitário entre distribuidoras e consumidores em todo o Brasil”.

Deixe um comentário